Depressão: psicopatologia que atinge milhões


Tristeza, perda do interesse, culpa, baixa auto estima, transtornos de sono e apetite, falta de concentração e sensação de cansaço. Esses são os principais sintomas da depressão, transtorno mental que afeta, hoje, mais de 300 milhões de pessoas no mundo, o que representa 4,4% da população, segundo dados de fevereiro de 2017 da Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, são 11,5 milhões de pessoas com a psicopatologia, o equivalente a 5,8% da população do País. Recorrente principalmente nas mulheres, a depressão é mais expressiva na faixa etária de 15 a 29 anos, período comumente marcado pelo desenvolvimento da personalidade e que requer maior apoio. Sua causa tem ligação com desequilíbrio químico do cérebro e, também, consequência de acontecimentos desgastantes na vida, sendo um reflexo de interações entre fatores sociais, psicológicos e biológicos. A intensidade dos sintomas pode variar entre leve, moderada ou grave, oscilando, assim, as formas de tratamento. Em alguns casos, a psicoterapia é suficiente para auxiliar o paciente no processo de recuperação, com retomada da confiança, auto estima, modificação das crenças negativas e fortalecimento da personalidade para lidar com problemas. Em outras situações, o tratamento junto ao psiquiatra, com uso de medicação específica, é indispensável para amenizar os sintomas e evitar remissão da doença.

De acordo com psicólogos da equipe Desenvolvendo Personalidade, a qualidade de vida melhora muito quando há aderência ao tratamento. "Quando a pessoa percebe que possui formas de se reorganizar psicologicamente, logo passa a notar diferenças que refletem diretamente em seu modo de vida", explica o psicólogo Pablo Cordeiro. "A disciplina no tratamento, aliada às técnicas oferecidas em psicoterapia, são determinantes para se alcançar boa progressão", complementa o psicólogo Thiago Caltabiano. Além disso, o apoio da rede subjetiva, formada pelos amigos, familiares e entes queridos, é essencial nesse processo. Ter por perto pessoas que se importam é sempre importante para contribuir com a melhora e retomada de uma vida saudável e equilibrada. Se os sintomas ligados à depressão se mostrarem latentes e recorrentes, é recomendado procurar profissionais da área que possam auxiliar no diagnóstico e orientar quanto ao melhor tratamento. Não só o número de casos de depressão cresceu nos últimos anos. A eficácia dos tratamentos também! Texto: Raíza Dias - Jornalista da Equipe Desenvolvendo Personalidade Fontes: Organização Mundial da Saúde e Hospital Israelita A. Einstein