Sobre o site

 

 

Com este trabalho queremos ajudar cada leitor a perceber que, mesmo diante das dificuldades emocionais, há possibilidades de superação!

 

Nossa proposta é; produzir materiais e conceder orientação profissional que favoreçam na compreensão de que: Buscar o desenvolvimento pessoal e o cuidado com a saúde são recursos indispensáveis!

CRP 06/6715/J

 

Please reload

Artigos em destaque

 

 

 

Contato

 

 

Direcionaremos suas dúvidas:

 

(11) 2598-1096
(11) 97295-0305

 

E-mail: desenvolvendopersonalidade@gmail.com

 

Atendimentos realizados nas cidades de:

 

Santo André (SP) - Centro

São Paulo (SP) - Pinheiros

  • Wix Facebook page
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon

AUTO ESTIMA: Como você trabalha a sua?

04.12.2015

Não é de hoje que as pessoas questionam aquilo que aparece refletido no espelho, poucos estão realmente satisfeitos com o que de fato é. Mas porque será que sempre estamos incomodados com a nossa “aparência”? Porque será que sempre temos um defeito para pontuarmos? “Estou meio gordo”, “estou muito magro”, “meu nariz é horroroso”, meu cabelo poderia ser de outra forma”. Já parou para pensar que o “outro” é sempre uma referência? Que geralmente o “vizinho” tem aquele abdômen dos sonhos, tem aquele cabelo legal, tem aquela imagem idealizada, tanto que quando alguém se queixa da própria aparência, logo soltamos o clássico “imagina, você está ÓTIMO”, eu é que estou precisando melhorar”.

 

A valorização do corpo atualmente produz níveis de status de felicidade perante o meio que se vive, o culto ao corpo está diretamente ligado à capacidade de vender uma boa imagem ao contexto social.

Pensando de uma maneira pragmática, porque será que o indivíduo sempre está insatisfeito com aquilo que vê no espelho?

 

A ânsia de sempre querer mais está diretamente ligada ao consumismo atual, vivemos em um mundo atualmente competitivo, onde “vender felicidade” é sinônimo de sucesso. Ninguém compartilha no Facebook a foto da barriga flácida nem a cara sem maquiagem logo cedo ao sair da cama.

 

Quando nos deparamos com a realidade, que vivemos uma vida sem glamour, (salvo as exceções das celebridades) sem grandes destaques, acabamos por voltar o olhar para o próximo e se questionar se somos mais felizes e satisfeitos que o próximo.

 

A resposta sempre será NÃO, pois o outro da mesma maneira, também está preocupado em vender felicidade, consequentemente gerando a eterna insatisfação com aquilo que se tem, resultando na baixa autoestima e na fragilidade de se conseguir acreditar nas reais potencialidades.

 

Seriamos muito mais felizes se não estivéssemos tão preocupados em ser mais felizes e mais realizados que o vizinho.

Aquele que se conhece e se percebe, matura aquilo que de fato é essencial, separando daquilo que é trivial e desnecessário.

Assumir o que de fato se é com certeza não é uma tarefa das mais fáceis, é mais cômodo e mais tranquilo se manter na sombra daquilo que não corresponde a sua verdadeira realidade.

 

“Ser”, como construção pessoal é fruto da responsabilidade assumida com relação à própria existência, na busca de mantê-la e aperfeiçoá-la.

“Não ser” é consequência da irresponsabilidade de quem não assumiu sua vida como deveria.

Please reload