A cobrança social

13.11.2015

 

        Viver em sociedade obriga-nos a tomarmos posicionamentos que implicam em praticarmos escolhas temporárias ou permanentes. Observem algumas das muitas cobranças sociais; que geram na maioria das vezes conflitos e sofrimentos:

          O adolescente é cobrado passar no vestibular, escolher uma profissão, independentemente se esteja “maduro” o suficiente para realizar esta escolha. A interferência do outro, a pressão social obriga-o fazer escolhas, estas que geram conflitos que se somam aos esperados nesta fase efervescente da vida.

          Depois da escolha da profissão, em seguida é cobrado a se destacar no corporativismo. Quando consegue passar desta fase surgem às cobranças em relação à constituição de um novo núcleo familiar (namorar, casar, ter filhos).

Consequentemente, quando se constitui uma família e tem um filho, logo é cobrado para ter um 2º filho.

          Se este jovem/homem passa por uma situação de divórcio, logo é cobrado a formar outro “novo” núcleo, isto é, frequentar lugares, conhecer pessoas novas, etc.

          Ao comprar um imóvel em seguida surge a cogitação de possuir outros bens materiais. Quando compra um carro a cobrança das pessoas que o cercam se faz em relação a programação de quando irá trocar de modelo, de marca, de potência e essencialmente que seja “zero”. Quando adquire um aparelho smartphone, logo recebe oferta de um aparelho mais moderno, e por ai vai.

          Na atualidade as pessoas não desenvolvem autoconhecimento suficientemente eficaz para as tomadas de decisões, resignam-se a estas cobranças sociais que em geral são prejudiciais ao amadurecimento psíquico, sendo algumas destas as consequências: Jovens que desistem no “3º” ano nas universidades; relacionamentos conjugais desgastados (aumento considerável de divórcios); indivíduos workaholics (trabalhadores compulsivos); pessoas que desenvolvem cobranças excessivas para si mesmas com crenças associadas à incapacidade e fracasso, entre outros.

          Quando a cobrança social “devora” o indivíduo, este se distancia de sua essência, ou seja, daquilo que o satisfaz enquanto ser humano. É possível ser feliz mesmo não seguindo os padrões sociais, e o autoconhecimento na tomada de decisões auxilia a priorizar seus anseios; o seu próprio bem-estar e não os anseios dos outros.

          Antes de qualquer decisão importante, reflita: esta decisão é o que eu realmente quero ou estou decidindo para agradar os padrões sociais e/ou alguém.

 

Pense Nisso!

Please reload

Sobre o site

 

 

Com este trabalho queremos ajudar cada leitor a perceber que, mesmo diante das dificuldades emocionais, há possibilidades de superação!

 

Nossa proposta é; produzir materiais e conceder orientação profissional que favoreçam na compreensão de que: Buscar o desenvolvimento pessoal e o cuidado com a saúde são recursos indispensáveis!

CRP 06/6715/J

 

Please reload

Artigos em destaque

 

 

 

Contato

 

 

Direcionaremos suas dúvidas:

 

(11) 2598-1096
(11) 97295-0305

 

E-mail: desenvolvendopersonalidade@gmail.com

 

Atendimentos realizados nas cidades de:

 

Santo André (SP) - Centro

São Paulo (SP) - Pinheiros

  • Wix Facebook page
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon