Sobre o site

 

 

Com este trabalho queremos ajudar cada leitor a perceber que, mesmo diante das dificuldades emocionais, há possibilidades de superação!

 

Nossa proposta é; produzir materiais e conceder orientação profissional que favoreçam na compreensão de que: Buscar o desenvolvimento pessoal e o cuidado com a saúde são recursos indispensáveis!

CRP 06/6715/J

 

Please reload

Artigos em destaque

 

 

 

Contato

 

 

Direcionaremos suas dúvidas:

 

(11) 2598-1096
(11) 97295-0305

 

E-mail: desenvolvendopersonalidade@gmail.com

 

Atendimentos realizados nas cidades de:

 

Santo André (SP) - Centro

São Paulo (SP) - Pinheiros

  • Wix Facebook page
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon

...é um telefonema para você!

31.07.2015

 

Trrrrrrr, Trrrrrrr (é o telefone).

 

Você já acha estranho, e enquanto se dirige ao telefone pensa: “porque não me manda uma mensagem ao invés de me ligar? É mais prático!”.

 

Haaaa! Mais receber um telefonema é muito bom, sobre tudo quando a ligação é de uma pessoa bem querida.

 

- Olá, diz a voz do outro lado da linha...

Sou eu, quer dizer é você! Bom, eu estava esperando o momento oportuno para poder conversar francamente. Quero ser o mais sincero possível, vou te dizer a verdade.

Tenho percebido a maneira como você têm estado, sei o que tem sentido e conheço os pensamentos que lhe tem perturbado, e que perturbação! Inclusive é assim que você mesmo se refere. Está claro que seus esquecimentos, preocupações, ausência de sono e outras coisas, são os emaranhados de sinais.

 

No telefone você se emudece por alguns segundos.

 

- Mas, mas, quem está falando? Alô?! Alô?!

- Sim

- Quem é você?

- Eu sou você! Melhor explicando, sou sua consciência; mas como estava difícil de me ouvir, encontrei esta forma de falar com você.

- Mas como isso é possível? Alô?! Alo?!

 

Logo você percebe que aquilo que parecia o telefone em sua mão, era o controle remoto, e o que parecia um telefonema era um daqueles sonhos...

 

Mas uma impressão parece não ser contrastada: As palavras ditas naquele “telefonema” pareciam verdadeiras...eram verdadeiras!

Please reload