Sobre o site

 

 

Com este trabalho queremos ajudar cada leitor a perceber que, mesmo diante das dificuldades emocionais, há possibilidades de superação!

 

Nossa proposta é; produzir materiais e conceder orientação profissional que favoreçam na compreensão de que: Buscar o desenvolvimento pessoal e o cuidado com a saúde são recursos indispensáveis!

CRP 06/6715/J

 

Please reload

Artigos em destaque

 

 

 

Contato

 

 

Direcionaremos suas dúvidas:

 

(11) 2598-1096
(11) 97295-0305

 

E-mail: desenvolvendopersonalidade@gmail.com

 

Atendimentos realizados nas cidades de:

 

Santo André (SP) - Centro

São Paulo (SP) - Pinheiros

  • Wix Facebook page
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon

Relacionamentos amorosos - e depois do fim?

10.07.2015

 

"O pior tipo de estranho é aquele que um dia você tanto conheceu..." hoje li essa frase e refleti sobre isso; quantos relacionamentos começam e terminam diariamente? Quantos amores que tinham tamanha intensidade; juras de amor eterno que pareciam ultrapassar todas as barreiras do tempo e da vida... e simplesmente acabaram ? Faz parte da vida? As prioridades mudam?

 

O amor acaba? Sim, sem dúvida! Nada é eterno, tudo tem um início, meio e fim. Porque será que duas pessoas que um dia se amaram tanto, trocaram confidencias, amor, sexo, ideais de vida e principalmente expectativas afetivas, quando se reencontram casualmente apenas dão um "oi" e continuam seu trajeto como se tivesse acabado de cruzar com um simples conhecido? Fechando o enredo com o clássico comentário "nossa como eu pude me envolver com isso?”. 

 

Claro , obviamente que não estou generalizando, existem ex-casais que são amigos, se querem bem etc, mas a predominância geralmente está no exemplo que retratei a pouco. Acredito que tudo aquilo que não deu certo remete ao indivíduo a sensação de que não precisa ser lembrado, não precisa ser mantido, deve ser substituído por algo que de certo e que reforce apenas o rótulo de "sucesso", deixando no esquecimento a lembrança daquilo que foi um investimento falho.

 

Lembrar do "ex", mantê-lo na vida com outro papel que não seja o amoroso, sempre reforçará o estigma no indivíduo de que existe um projeto , uma tentativa, e um fracasso ambulante , mostrando que de fato você foi "incompetente"  na capacidade de ter feito aquela relação ter tido sucesso.

Pensar que "fulano esta pior sem mim, mais feio, mais pobre", é sempre uma maneira de amenizar o sentimento de fracasso pela relação que não deu certo. 

Mas será que não podemos fazer diferente? Pensar no tempo que deu certo? Será que assumir as responsabilidades pelos fracassos também não é uma maneira de construir recursos resilientes para novos relacionamentos "duradouros" e estáveis? E mesmo que não der certo, você possa ter a capacidade de ressignificar o fracasso de uma relação a dois, podendo olhar para o outro e ficando verdadeiramente satisfeito em perceber que a vida continua, para ambos os lados!

 

Se conhecer, esse é o caminho! Relações maduras apenas são construídas sobre estruturas genuinamente autenticas.

 

Vamos refletir!

Please reload